terça-feira, 2 de outubro de 2018

É a tua Pois, nunca é a de ninguém (mas eu acho que é igual à de muita gente…


"Entre o Mar e o Sonho"

Acrílico s/tela/ 90x70cm

Nesta vida terrena, repleta de calhaus, acondiciono, no lado esquerdo da memória, o pergaminho dos meus primeiros traços executados por um lápis debutante. Prezo o jorrar das águas do obscuro. E nos segundos em que esqueço que sou efémero, um tubo de tinta solta os pigmentos que aquecem o meu corpo. Abro fendas nos sonhos e envio os pincéis ao encontro das maçãs voadoras. E neste silêncio de cores prostradas na tela, revelo ao Mar toda a espuma que me veda os olhos….

PAULO CÉSAR (Kaiser)

Paulo César da Mota Pereira (Kaiser), nascido em Bögen, Alemanha, em 28/9/1972, professor de Português, Latim e Grego, reside em Braga, Portugal. Exposições individuais em 2010, na Junta de Freguesia de S. Victor, Braga e em 2011, na Associação Aenima, em Braga. Participação com duas obras na “Mostra dos trabalhos concorrentes à 1ª Bienal de artes plásticas de Braga”, em 2009, e no Festival “Guimarães NocNoc”, em Guimarães, em 2012, com seis obras. Exposições colectivas na Fundação Riba d’Ave, em 2016, e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga, em 2017.

ARNALDO MACEDO


Fiz uma viagem já passada pelo calendário. Parei onde marcava. 21:11 Visionei aquela luz que, na altura, iluminou a minha essência. O teu rosto colado ao meu. O alfinete que me ofereceste quando a terra se rompia debaixo dos meus pés. As maçãs voadoras que esvoaçavam em regozijo … Hoje, o tubo de tinta do destino continua a colorir as minhas utopias, mas tu estás longe de mim e contigo tens o açúcar que corria nas minhas veias… Ao peixe pássaro que tudo vê por baixo do mar e acima da terra pergunto por ti: ONDE ESTÁS? Não recebo resposta. Porém enquanto o alfinete segurar o rasgo da terra e continuar o germinar dos meus pincéis, eu acredito que estarei contigo algures, hoje ou amanhã….

Arnaldo Macedo Natural de Caldas de Vizela… 
Com um percurso essencialmente autodidacta e uma obra que atravessou vários estilos, a sua pintura fixou-se na corrente surrealista resultante da influência do pintor surrealista Salvador Dali e do escritor Mário Cesariny. O seu imaginário deambula entre a força simbólica das imagens e a subtileza das palavras. Ganhou um segundo e terceiro prémio num concurso em Vizela. Tem participado regularmente em exposições colectivas e individuais, nomeadamente (as mais recentes): Galeria Espaço t - Trofa, Clube Literário do Porto, Salão da Primavera 2011-Galeria Vieira Portuense (colectiva), Diana Bar - Póvoa de Varzim, Fundação Jorge Antunes - Vizela, Ao Redor do Touro-Galeria Vieira Portuense (colectiva), Biblioteca Municipal – Castelo de Paiva, A Cadeira de Van Gogh- Porto, Câmara Municipal de Paredes e Galeria de informação de Amares.